Dos inúmeros desafios de empreender, pode-se dizer que manter a organização financeira é um dos maiores. Mas existe uma ferramenta contábil capaz de planejar e controlar as finanças com precisão, o Fluxo de Caixa. Esse instrumento essencial ao dia a dia das empresas apura e projeta o saldo disponível para que exista sempre capital de giro para aplicação ou eventuais gastos.

O Fluxo de Caixa é, na verdade, um registro de tudo o que acontece no setor financeiro do estabelecimento, mas cuidado para não confundi-lo com Lucro ou Faturamento. Lucro é o dinheiro que fica após o pagamento das despesas, e Faturamento é a soma de todas as vendas de um determinado período.

E saiba que existem diferentes Fluxos de Caixa. Entenda melhor:

Fluxo de caixa direto

Metodologia mais utilizada no mercado, pois considera a forma bruta das operações financeiras, ignorando qualquer desconto. As entradas e saídas são diárias e organizadas em categorias que condizem com as atividades da gestão.

Fluxo de caixa indireto

Essa técnica utiliza o balanço patrimonial para considerar a variação de ativos em um período. Assim sendo, a gestão contabiliza o lucro de um determinado intervalo e o reajusta a partir da amortização e depreciação.

Fluxo de caixa projetado

O fluxo de caixa projetado não utiliza os valores que já foram acrescentados ou removidos do orçamento. Na verdade, ele tem o objetivo de prever receitas e gastos. Desse modo, é possível preparar o orçamento para pagar as despes​​​​as e garantir o respeito aos prazos.

Fluxo de caixa operacional 

Essa modalidade levanta os gastos e as receitas operacionais, ou seja, todas as movimentações financeiras necessárias para o funcionamento da empresa, como a folha salarial e o abastecimento e manutenção do estoque. Não se deve, por exemplo, contabilizar os investimentos nem o pagamento de impostos e taxas. Empreendimentos em fase inicial de crescimento podem utilizar o fluxo de caixa operacional, já que não existe grande variedade de informações e produtos.

Fluxo de caixa livre

Ferramenta utilizada para medir a capacidade de gerar capital da gestão, indicando o saldo existente a curto, médio e longo prazo. É recomendado trabalhar em duas frentes: a primeira entre 60 a 90 dias e a segunda com um prazo maior, entre 2 a 5 anos.

Você já entendeu a importância de adotar essa ferramenta? Ainda não? É evidente que no início do preenchimento surgirão dificuldades para elaborar o controle. Mas, em pouco tempo, poderão ser sentidas a enorme ajuda e importância de tomar as decisões com base em previsões de entrada e saída de recursos.

E vale acrescentar que o Fluxo de Caixa pode ser elaborado manualmente, em uma agenda ou um caderno. Porém, será muito mais fácil, organizado e ágil se for automatizado, por meio de uma planilha eletrônica ou de um programa de gestão. Dito isso, confira 3 boas razões para fazer uso desse instrumento agora mesmo:

1 – Menos gastos desnecessários

Como todas as despesas são documentadas, você descobre, reduz e otimiza o uso do capital no empreendimento. Consequentemente, sobra mais dinheiro para investir em áreas de maior relevância.

2 – Melhor tomada de decisão

Essa ferramenta demonstra a situação financeira da empresa em todos os seus detalhes, considerando os investimentos, os tipos de custos, as projeções e as entradas de capital. Além do mais, o Fluxo de Caixa permite que você faça previsões sobre os lucros ou os prejuízos que estão por vir. Conclui-se, então, que esse elemento disponibiliza todas as informações que você precisa ao realizar o planejamento estratégico do negócio e tomar decisões.

Estabeleça uma rotina:

O setor financeiro é composto por várias atividades, e muitas delas ocorrem todos os meses, como o pagamento da folha salarial e a compra de materiais para a produção de conteúdo. A correta realização do Fluxo de Caixa depende de uma rotina muito bem preestabelecida.

Sugestão:

  • Diariamente: organizar as despesas do dia anterior, registrar os pagamentos que devem ser realizados, salvar documentos, fotos e contratos;
  • Semanalmente: verificar operações da semana anterior e preparar-se para o restante do mês;
  • Mensalmente: analisar os dados obtidos, procurando os pontos mais fracos do planejamento.

Analise resultados:

Quem analisa resultados consegue identificar gargalos e oportunidades. Quando se trata de um Fluxo de Caixa, você pode ficar um pouco confuso no início e, em muitos casos, alguns profissionais não sabem por onde começar, mas saiba que existem procedimentos que melhoram o seu desempenho com o passar do tempo.

Primeiramente, avalie as entradas e saídas do mês atual e as compare com os valores dos meses anteriores. Dessa forma, você consegue acompanhar a evolução das vendas e entender se elas estão crescendo ou diminuindo.

Outro ponto importante está relacionado às principais despesas. Se o volume financeiro é maior, você deve ter mais atenção, pois qualquer deslize pode provocar grandes consequências, como o desperdício de capital.

E então, já está dominado o tema? Caso tenha dúvidas, entre em contato com o seu contador ou acione uma empresa de consultoria financeira, mas não deixe de fazer o Fluxo de Caixa da sua empresa!

No Comment

Comments are closed.